My Lifesaver

Um dia, escrevi aqui sobre a minha nova Faculdade e sobre o facto de eu sentir que sempre deveria ter lá estado. Não, não mudei de ideias. Continuo a sentir que lhe pertenço, que sou parte daquele Universo ainda místico ou misterioso para mim, mas que me traz um conforto e uma paz de espírito ímpares.
Mas não estaria a ser justa se esquecesse tudo o resto.
Foram 6 anos num local completamente novo e cujos recantos eu hoje conheço (praticamente todos, vá). Foram 6 anos de aprendizagem, de descoberta e de auto-descoberta acima de tudo. 6 anos a questionar, a colocar tudo em causa, a aprender, a reaprender, a avaliar e a repensar tudo, tudo! Mesmo aquelas coisas que eu tinha como certas. Foram 6 anos de crescimento, de luta diária, de de superação e de vitória. Foram 6 anos de uma capacidade tremenda que eu desconhecia ter dentro de mim. Foram (quase) 6 anos de uma paixão que foi a mais completa que eu já sentira em toda a minha vida, a mais intensa, a mais inesquecível. Foram 6 anos aos fim dos quais eu aprendi que aquela também era a minha casa (a minha segunda casa). É incrível sentir-mo-nos em casa num local que outrora nos era alheio!
Foram 6 anos a aprender com os melhores, na melhor Faculdade, com as melhores doutrinas, a melhor paisagem, o melhor pessoal auxiliar... Enfim.
Se foi perfeito? Não, nem poderia ser.
Se poderia ter sido melhor? Claro que sim.
Mas não posso esquecer nunca que aquele local, aquelas pessoas concretas, aquelas janelas, aquelas salas de aula, aqueles livros rasgados, aquelas cadeiras umas mais confortáveis que outras (!) contribuíram para que seja a pessoa que sou hoje e incutiram em mim a necessidade de lutar! Porque nada vem parar às nossas mãos sem que lutemos arduamente!
Por isso, obrigada.

E isto tudo surgiu porque foi lá que eu recuperei o meu fôlego, a minha vontade de viver, de lutar, de acordar para a vida e de aprender; a minha paixão pelo conhecimento, pela aprendizagem, pelo outro e pela sua diferença; os meus sonhos e objectivos; as minhas metas diárias. Foi lá que me recuperei e é por isso que sabe e saberá sempre tão bem regressar às minhas raízes. Podem não ser as raízes da criança que fui, mas são certamente as raízes da adulta em que me tornei.

Apple, Mac, Air, Pro, etc etc.

Gente linda, um dos meus "sonhos" sempre foi ter um pc da Apple. No entanto, já tenho um computador de secretária e comprei há uns 3 anitos um Sony Vaio portátil, branco, lindo que só ele. Uma vez que uso pouco o portátil e raramente necessito de o levar comigo, "vendi-o" aos meus pais e, ocasionalmente, quando a preguiça bate a esta porta, peço-o emprestado.
Mas a vontade de ter um Mac nunca passou.
O que eu queria saber é se há alguém aí desse lado que tenha um, que me possa informar das vantagens e desvantagens, das funcionalidades únicas e que me possa esclarecer algo muito importante: esquecendo o lado estético e o status da marca, vale a pena o investimento (quando comparado com um Hp, um Toshiba ou um Sony Vaio, por exemplo? E a bateria, dura quanto tempo (em média)? Gostam do sistema operativo ou consideram o Windows melhor? E problemas de software, ocorrem com frequência? Problemas c/ actualizações? O portátil mantém-se funcional durante quantos anos +/- ?
Adoro o MacBook Pro com Retina Display!


The Little Prince

Estou viva, feliz, livre, esperançosa.
A verdade é que já comecei as leituras para a Tese e isso deixa-me muito pouco tempo livre.
Porém, não poderia deixar de vos falar de uma coisa.
Na semana passada vi finalmente O Principezinho (o filme).

O Principezinho (The Little Prince)

Não vou dizer que adorei o filme. Talvez o tivesse adorado se ainda fosse capaz de o ver com os olhos de uma criança. Mas a verdade é que quando crescemos perdemos não só a inocência, mas também a capacidade de acreditar sem questionar toda e qualquer coisa. Pelo menos eu perdi essa capacidade.
Ainda assim, o filme transmite-nos valiosas lições, faz-nos pensar muito... Se o virem, prestem atenção na raposa. Foi a minha personagem favorita, a mais sábia, gentil e dócil. A que me deixou com saudades de ter um amigo verdadeiro assim, um amigo como se calhar eu nunca tive.
Imdb: 7.8


Nunca se esqueçam do que é ser-se criança, da criança que vocês também já foram, dos sonhos que tiveram quando ainda eram meninos e meninas esperançosos e crentes num mundo melhor, num Mundo repleto de amor puro e despretensioso.
Tenham uma boa semana!

Natal Natal Natal!

Gente linda, quais são as coisas que mais gostam de comer no Natal (refeições/pratos principais) e docinhos?
Confesso que, apesar de ser grande adepta  do Natal, não adiro lá muito à gastronomia da época.
Em pequena gostava de bacalhau, agora é raro comer bacalhau no Natal.
Rendo-me mais aos bombons, bolachinhas de chocolate e figos. Ai os figos secos... 
Ainda falta quase um mês e já inaugurei 3 pacotinhos :P


Vamos aligeirar o ambiente com uma pergunta...

Aqui vai mais uma pergunta bizarra e pessoal:

O que é que vocês guardam na vossa despensa?

Roupa?
Calçado?
Material de costura?
Arca congeladora?
Comida?
Produtos de limpeza?
Electrodomésticos?
Vários artigos dos mencionados acima??

Baby boom

Gente linda, assim não dá!
Anda por aqui uma garota a queixar-se de que nem sequer tem namorado e de repente toda a gente tem um bebé, ou vai ter um bebé.
O que é incrível é que não é uma coisa da Blogosfera, parece, isso sim, um babyboom geral!
Não há vez nenhuma em que vá ao café/esplanada/restaurante/supermercado/shopping e não veja, no mínimo, uns quatro bebés todos cutxi cutxi. É cada um mais querido que o outro. E os sorrisos? Oh Meu Deus, que sorrisos tão lindos que têm os pequeninos! E os gêmeos? Como eu adoro gêmeos!
Assim não dá!
Vocês estão a dar cabo do meu relógio biológico...

Quero um assim, como o da foto, pra breve (ou não)!

To love

Por vezes, tudo aquilo de que precisamos é um pouco de Amor.

As Regras da Casa

Adenda ao post anterior

Em dia de reunião familiar não é permitido:

- utilizar o telemóvel porque somos logo gozados e segue-se um interrogatório tipo inspector da PJ; a minha família não acha porreiro mandar sms de Natal e de Ano Novo aos amigos;
- utilizar o computador com a mesma finalidade;
- levar o portátil e tentar fazê-lo, sem abandonar a sagrada família; porque inevitavelmente alguém irá espreitar ou criticar, ou ambas;
- utilizar o computador para jogar (em miúda tinha sempre jogos novos no Natal e nunca os experimentava. Haja liberdade!);
- ver tv. Há sempre alguém que diz (por gestos): "o comando é só meu" e lá se vai a ideia de ver um filmezinho típico de Natal, qualquer espécie de desenho animado, um filme perfeitamente normal... etc. Aqui se vê Casa dos Segredos e outras "paroladas" piores (desculpem-me aqueles que me lêem e gostam de assistir a esses programas);
- falar. Aqui fala uma pessoa. E, quando alguém abre o bico está o caldo entornado. Seguem-se birras, fitas, discussões... Porque ninguém aprecia esse género de atitudes. Já cheguei a ver essa pessoa fingir um desmaio (toda a gente percebeu que era fingimento), depois de desencadear uma discussão, só a ver se saía por cima! Claro que, no final, vai sempre alguém embora chateado. Ás vezes continuam a discussão em casa;
- Já disse que é proibido falar? Se abro o bico, segue-se um "agora estou a falar eu" (há 3 horas consecutivas);
- esgueirar-me durante mais de 1 minuto. Vêm logo atrás de mim ver o que estou a fazer e, se não regresso, sou logo ameaçada. True story...
- ficar a pé após a meia-noite. Porque há sempre alguém (a mesma pessoa que faz questão de ser a única a falar) que se quer ir deitar, porque sim, ou porque quer falar e já estão todos fartos de a ouvir (a contar as mesmas coisas que contou 59999999999999999999999 vezes, durante a agora 7ª ou 8ª hora);
- escolher o que comer. Aqui ninguém tem voto na matéria, a comida é toda feita de acordo com o gosto caprichado do convidado frisado no ponto anterior. Se gostamos doutra coisa qualquer, paciência, não há nada para ninguém;

Talvez isto tudo aconteça por ser a pessoa mais jovem que está presente. Quero mesmo acreditar que é por isso! Mas a verdade é que foi assim durante muitos anos e, de ano para ano, só tem tendência a piorar.
Depois ainda acontece aquilo que eu mais abomino: dizerem mal dos outros nas suas costas. Não é criticar, é dizer mal, forte e feio. A vítima costuma mudar de semana a semana, mês a mês... por aí. Mas aqui não se brinca em serviço.

Eu não contei isto porque queria muito fazê-lo e anunciá-lo ao mundo, porque, sinceramente é algo que lamento e que me envergonha muito. Mas precisava desabafar e ás vezes é complicado falar sobre isto com quem nos conhece... Existem sempre reservas porque aquela pessoa sabe exactamente de quem estamos a falar e, mesmo sendo inteiramente verdade tudo o que disse acima, é complicado, muito complicado...

Se a minha vida podia ser perfeita? Poder até podia.
E sinceramente, é. Acho que devia estar grata por esta ser a única coisa má que tenho a minar a minha felicidade. Mas é muito difícil ter de enfrentar isto todos os fins de semana e agora na época mágica que aí vem.

Por isso, se lerem algures que detesto fins de semana e que o Natal me suscita um sentimento agridoce, já sabem o porquê (mais informações neste post).

O lado menos doce do meu Natal

Sim, falta exactamente um mês para a noite mais mágica do ano.
Há um ou dois anos atrás estaria ansiosa para passá-la em família.
Este ano, muito mudou na minha vida. Aprendi muito sobre mim, mas também sobre os que me rodeiam.
Alguns laços intensificaram-se, enquanto que outros... bem, eu já não os sinto lá.
E não vou atribuir culpas. A verdade é que a vida dá muitas voltas e os sentimentos mudam. 
Este ano, pela primeira vez, não tenho vontade nenhuma de partilhar este dia a não ser com os que vivem comigo. Porque foram eles que estiveram aqui durante todo este processo (da depressão), que (melhor ou pior) sempre me compreenderam e me estenderam a mão. Não me fizeram perguntas ridículas, nem me julgaram sem pensarem bem sobre o que estavam a deitar boca fora.
Por isso, o meu desejo para este Natal, se calhar em oposição ao do resto do Mundo, era passá-lo unica e exclusivamente com aquelas pessoas que não só dizem querer-me bem, mas que, de facto, todos os dias me demonstram que me querem bem. As atitudes são tudo, tudo. Não se deixem enganar.
Sou a primeira a afirmar que as palavras são lindas e por vezes quase quase conseguem exprimir o indizível. Mas são só palavras... Ainda que nos sejam tanto.
Infelizmente não será possível realizar este meu "desejo" e estou mesmo muito triste. Triste e preocupada porque temo levar com os julgamentos sem fim dos restantes familiares, com as tentativas intrusivas de fazer conversa fingindo que está tudo bem (porque não está!)... enfim.
E triste porque nesta época queria muito o apoio e o carinho dos amigos, mas todos eles têm as suas famílias (alguns até já têm o seu próprio lar!), os seus namorados, as suas vidas... alguns estão longe geograficamente... outros... a vida levou-os por caminhos que já não se cruzam com o meu.
E, embora já tenha feito as pazes comigo própria, não me recriminando por isto e aceitando que a vida é mesmo assim, nestas épocas em que o amor é o mote de toda e qualquer coisa, custa muito não ter ao nosso lado quem faz o nosso coração bater mais forte.

To look around us


Cada vez dou mais valor às pequenas coisas que a vida tem para oferecer.
Os velhinhos que caminham de mãos dadas;
O miminho dos papás;
O sorriso contagiante das crianças com quem me vou cruzando;
As decorações de Natal...

Enfim, a beleza está um pouco por todo o lado. Não é preciso procurar. Ás vezes nem precisamos deslocar-nos para muito longe. Basta olhar em redor. E apreciar.

ps: quando estava à procura de uma imagem para juntar ao post, encontrei esta foto (abaixo). Olhem só, que miúda cheia de pinta!

E tu, como te sentes?

Sinto-me rejuvenescida, inspirada, motivada, alegre, esperançosa. Espera, não era nada disto o que eu queria dizer!
Estou super feliz.
Adoro a minha a vida, tal como ela é agora.
Sinto-me como se as estrelas finalmente estivessem a alinhar-se e a conspirar em meu favor.
Já não era sem tempo.


Desejo-vos uma excelente semana.
Tenham muita, muita Fé*

"Thinking Out Loud"

Vejam o video!
Para quem não conhece, são cenas de uma novela brasileira que terminou há pouco tempo na sic. Chama-se I love Paraisópolis e fala muito das diferenças entre as pessoas da Comunidade de Paraisópolis e os habitantes do Morumbi. O video abaixo contém algumas das cenas mais bonitas do casal de protagonistas, Mari (Bruna Marquezine) e Benjamin ou Ben. Mari era uma menina da favela. E Ben um garoto do Morumbi. 
A novela é muito linda, tem cenas de morrer a rir e personagens muito bem construídos, complexos e cativantes.

Minhas esquisitices

Quando escrevi os primeiros random facts, mencionei que:

"Eu tenho um olfacto muito apurado.
E toda a gente brinca com isso.".

A verdade é que:

- o cheiro de um batom em particular me recorda o secundário
- o cheiro de um desodorizante em particular me recorda as aulas de EF
- o cheiro de um champô e do respectivo amaciador recordam-me uma viagem que fiz ao Gerês
- o cheiro da casa da minha avó é único
- o cheiro a côco faz-me lembrar uma amiga que não gosta desse cheiro
- o perfume 212 Sexy, para homem, faz-me lembrar aquele que era o meu melhor amigo
- o cheiro da chuva recorda-me a infância
- o perfume 212 Sexy para mulher faz-me lembrar uma amiga
- o cheiro a alperce recorda-me a minha melhor amiga
- o cheiro do Pantene também
- o cheiro do perfume do lidl recorda-me o 5º e o 6º ano de escola
- o cheiro de marcador recorda-me o 7º ao 9º ano da escola
- o cheiro das barras kinder recorda-me o secundário
- o cheiro a abóbora recorda-me as enxaquecas que tive
- o cheiro a bacalhau assado no forno recorda-me as comunhões e casamentos a que fui
- o cheiro do Herbal Essences, gama antiga, também me recorda o secundário
- bem como  um gel de banho da Palmolive
- o cheiro de algumas flores faz-me sempre lembrar o cemitério
- não gosto do cheiro das Igrejas
- o cheiro de alguns perfumes Avon faz-me lembrar a minha madrinha
- o cheiro dos hidratantes Corine de Farme faz-me lembrar os dias em que ia à praia entre o 10º e o 12º anos da escola
- o cheiro a pêssego também
- o cheiro a baunilha faz-me lembrar a minha mãe, porque ela não gosta
- o cheiro a caramelo, também, porque ela adora
- o cheiro a tabaco recorda-me as saídas à noite
- o cheiro dos enchidos recorda-me outra amiga minha
- o cheiro "a Natal" (da casa, dos doces, da casa de familiares...) recorda-me os Natais passados. Cada casa tem um cheiro muito peculiar e agradável no Natal
- o cheiro a cão/cadela ou a gata recorda-me sempre o meu gato
- o cheiro a amoníaco recorda-me as aulas de FQ entre o 7º e o 9º ano
- o cheiro de suor recorda-me uma colega, infelizmente
- o cheiro dos bolos que a minha mãe faz é único e inconfundível
- o cheiro a iscas de bacalhau faz-me lembrar: a minha mãe, a minha avó, uma tia do meu pai e ainda uma amiga e a sua mãe


e acho que isto é o principal.

E vocês? Costumam associar os cheiros a momentos, pessoas, lugares? Contem-me tudo!
 



"É isso aí"


Há anos que amo esta música, de coração.
Sempre teve um significado super especial para mim.

Para quem prefere a original:



Tenham uma óptima sexta-feira!

Agradecimento

Agradeço a quem me deu a preciosa dica de "bater no cu da romã" com uma colher de pau, tive de a partir em quatro mas, afinal, funciona mesmo!
Até parece que me sabem melhor.

Thank you so much!


Este é um post sobre unhas

Meninas, comprei um verniz da Catrice e estou neste momento a pintar as unhas. A cor pareceu-me gira, mas ao pintar fica mais clara, infelizmente, porque eu adoro um bom vermelho escuro.
Acontece que o pincel é tão largo que quase me cobre a unha toda. Até parece prático porque só exige uma passagem, mas a verdade é que fica tudo borratado. Sou eu que sou desastrada ou isto acontece a mais alguém??
O verniz é este. A foto não é da minha autoria.

About me, about you, about him, about them

Eu sou muito tímida, muitooooo.
Porém, era super participativa nas aulas. E acho que finalmente essa parte de mim está a dar um ar da sua graça.
Mas isto não é mais um post sobre a Faculdade.

Este post é sobre mim.
Acho estranho quando alguém que eu não conheço bem (alguém que não seja um amigo próximo ou familiar chegado) tem para comigo um gesto carinhoso. Fico envergonhada, sem jeito, sem saber o que fazer. Enfim.
Não é bem um não-gostar. É mesmo um estranhar. Não me interpretem mal. Eu adoro que se metam comigo, desde que o façam de forma simpática e agradável (ao invés de scary e despropositada, claro). Adoro estranhos que metem conversa, que dizem "olá" e "obrigada", que me abrem a porta e a seguram para eu passar, que me sorriem, que me olham com desejo (mas de uma forma decente, atenção)... Mas mandar piadas, tentar abraçar-me, dar-me o braço, dar-me um beijo, "empoleirar-se" em mim de qualquer forma ou deitar-se no meu colo... epá, acho estranho! Porque é, não é?
E mais, e isto agora é exagero meu... Não gosto que alguém que eu não conheço bem... Me diga que sou bonita, me peça o número de telemóvel ou me pergunte "posso-te conhecer", muito menos que ande atrás de mim...
E vocês perguntam: então como arranjas namorado?
Pois, namorado não tenho.
Eu sei que não sou fácil, mas corações conquistam-se com atitudes (e com outros atributos também, vá). Mas atitudes que me demonstrem que se preocupam comigo, que querem o meu bem, que vão estar ali comigo se eu de repente tiver um dia mau.
Porque um namorado, um amigo, um primo, deve servir para isso mesmo. Não só, mas também para isso.
A verdade é que, parecendo que não, eu adoro miminhos. Mas miminhos das pessoas de quem eu mais gosto.

Ahh, e só Deus sabe o quanto eu me derreto quando vejo um homem com aquele ar meigo que vocês sabem. Porque é isso que eu procuro: alguém que me dê o seu melhor e que seja capaz de despertar em mim o melhor que eu posso ser e dar.

Sou uma lamechas. e uma mimalha. Mas sou uma lamechas e uma mimalha muito selectiva.

Vontade



Tenho uma tese para fazer.
Não me atribuíram o orientador que eu queria.
A orientadora (é uma Doutora) é 5*, mas não é da minha área,
Se já tinha pouquíssima vontade de começar a elaborar a tese,
Agora não tenho nenhuma.
E ainda por cima agora há uma raiva miudinha que me mói por dentro.

Mas a vida é bela na mesma 💓



E com isto vou ali colocar mãos à obra
São bem-vindas quaisquer palavras de incentivo, 
bem que preciso delas!

it's a kind of magic

Fac


Há cerca de uma semana, estava a caminhar em direcção à minha Faculdade nova, embalada por uma suave brisa nocturna quando, de repente, fui invadida por um pensamento que me surpreendeu:
deveria ter estado naquele lugar desde sempre.
Sim, é isso.
À medida que eu me ia aproximando da entrada da faculdade, o meu coração sussurrava baixinho: sempre pertenceste a este lugar. Era aqui que deverias ter estado desde o princípio.
Olhei para cima, para a Lua e como ela estava linda naquela noite!
E, naquele preci(o)so momento, tive a certeza: uma vida deslumbrante acabara de começar.


Nota: o texto é inteiramente verídico. Ando a estudar numa Faculdade nova, numa área diferente da minha área de formação original.


Can I have the moon, now?
The moon, please, and your warm arms around my body*

Fórmula da felicidade (para fazer em casa)

Chocolate em pó, a gosto;


 Café espresso, a gosto. 100% arábica ou outro;
Adoçante stevia (desta ou doutra marca), 
porque já sabemos que o açúcar é nosso inimigo.

Basta juntar água quente e voilá: 
temos uma bebida quente, perfeita para os dias frios que aí vêm, deliciosa e que 
desperta os nossos sentidos.
Perfeita para tomar no fim de semana ou numa tarde de estudo, para ficar mais desperto e motivado.

E vocês, 
costumam preparar este género de bebidas quando o frio se instala?

Ora digam lá...


Aqui vai uma pergunta parva e super pessoal. 
Mas a verdade é que eu nunca sei...
O que colocar na mesinha de cabeceira. Então, acabo por deixar as gavetas quase vazias. E, mesmo assim, ando sempre a mudar o pouco que resta para outro sítio.

E vocês, que género de coisas guardam na/s mesinha/s de cabeceira?

Importante é...



Sentir-me linda todos os dias.
Porque a beleza vem de dentro
E eu me sinto super feliz.
Estou super feliz. Nem acredito!
A minha vida é quase perfeita agora.

A minha série favorita

Actualmente é Conviction.
Adoro quase tudo na personalidade irreverente da Hayes Morrison.

Existe por aí mais alguém 
que se tenha rendido à série?

A Mari precisa de ajuda!


Em primeiro lugar, agradeço a todos os votos de melhoras, estou a melhorar, felizmente. Agora... 

Gente linda, tenho 4 questões para vos colocar:


1. Como conseguem comer romãs sem fazer uma autêntica javardice à vossa volta, meaning, montes de sumo de romã por todo o lado. Sei que existem truques!

Estou longe de ser perita em maquilhagem, por isso...

2. Como costumam aplicar o lápis de sobrancelhas;


3. Vestem-se depois ou antes de se maquilharem?

4. Esta é ridícula: aplicam o batom apenas na zona demarcada pelos vossos lábios ou, para darem a aparência de ter os lábios maiores, extrapolam essa zona, primeiro com lápis para lábios e de seguida passando o batom?


That Awkward Moment

Aquele Estranho Momento (That Awkward Moment)

Não há palavras que consigam exprimir o quanto eu adorei este filme! É uma comédia romântica que retrata a vida amorosa de três amigos que decidem fazer um pacto que consiste em ficarem os três solteiros.
Apesar de inicialmente parecer mais um filme sobre engates, no final acaba por revelar muita substância  e permite-nos repensar algumas das nossas opções, prioridades e crenças.
Uma forma leve e divertida de aprender algumas lições, enquanto apreciamos o Zac Efron, que está mais gato do que nunca.
Imdb: 6.2

Me, myself and I

Cada vez gosto mais da minha casa. 
Em cada detalhe consigo encontrar um bocadinho de mim, uma vez que tenho dado muitas ideias para ajudar a remodelar a casa.

Drama Queen

Estou a frequentar uma formação que é basicamente a concretização de um dos meus maiores sonhos. Estou doente, como há muito não estava. É apenas uma constipação, mas apanhou-me desprevenida e está a demorar a ir-se embora.
Na última aula estava com o cérebro completamente adormecido e não correu nada bem.
Sinto-me um falhanço.

Silver Linings Playbook

Guia para um Final Feliz (Silver Linings Playbook)

Debruça-se sobre a história de um homem que aprende a lidar com um distúrbio bipolar não diagnosticado, após ter agredido o homem que dormia com a sua mulher. É um filme sobre traição, desespero, esperança, amizade, diferença, família e perseverança.
Acho que o essencial do filme é a mensagem de que a felicidade se constrói, que é um caminho árduo que se percorre e cujo destino nem sempre é aquele que esperávamos, mas antes o que melhor se adequa à pessoa que somos.
Imdb: 7.8

Miss You Already


Esta música faz parte da banda sonora de um filme que vi no outro dia:

Já Sinto A Tua Falta ( Miss You Already)


Conta a história de duas amigas de longa data, em especial a partir do momento em que uma delas adoece. Retrata de uma forma muito intensa e crua a evolução do cancro da mama numa mulher ainda jovem, casada e com dois filhos e de que forma isso afecta a vida de todos os que a rodeiam.
Não vou contar o fim.
Só digo que vale a pena ver!
Imdb: 6.7

E porque não só de tristeza se faz este filme...

O filme conta com a interpretação brilhante de Dominic Cooper:

Imdb Vejam-no também em A Arte da Paixão (Summer In February): 5.6

To all of you

Hoje é a minha vez de expressar gratidão.

Estou profundamente grata a todos aqueles que por aqui passam, àqueles que me lêem e ainda mais àqueles que, com as suas palavras, tantas vezes me confortam.
Vocês ajudam-me a manter a minha humanidade.
A conservar a minha fé na Humanidade, mesmo naqueles dias em que todos parecem desapontar-me.
Por isso, obrigada*

Reticências


Ontem, enquanto atravessava o cais, dei por mim a pensar que aquela cidade era mais tua do que minha. Porque é, na verdade. Toda ela me recorda um bocadinho de ti. Todas as portas, todas as janelas, os vitrais, as ruas apertadas, as gentes modestas e as boas famílias. Tudo me recorda um pouco de ti.
Depois, olhei em volta e deixei que os meus olhos repousassem no rio. Não era o rio que eu contemplava. Eram as luzes imensas reflectidas naquelas águas turvas e sofridas.
Sabes o que vi nelas?
A luz que emerge das lágrimas que eu já chorei por ti. Digo chorei, no passado, pois foi lá que eu as deixei, junto das nossas fotografias, das nossas viagens, dos nossos beijos e abraços, junto até das palavras que nós não dissemos e dos silêncios que sem querer abafamos.
Deixei-me embalar pela nostalgia, procurando abstrair-me desses pensamentos obstinados que começavam e terminavam com o teu nome. O teu nome... Como eu amei o teu nome! Tem tanto de peculiar como tu. Assenta-te bem. Condiz com a tua beleza imponente e singular. 
Eu não te amei pela tua beleza, ao contrário do que tu pensas.
E hoje eu só queria dizer que é mentira que te amo, que te quero e que te preciso. Mas não é.
Não havia nada de ti na cidade, no cais ou nas ruas.
Tu estás em mim, isso sim, como o sangue que me corre nas veias, como um veneno necessário e doce, que ora me destrói, ora me faz renascer.
És a doença e a cura, o mal e o bem, o presente e o futuro.
És o meu futuro.
Ou, pelo menos, eu queria que o fosses...

And so it is

“You want what everyone wants.
You want a love that consumes you.
You want passion, and adventure,
and maybe even a little danger.”
 Damon Salvatore 
(The Vampire Diaries)

True story

Gente linda, em resposta ao post em que gentilmente pedi que adivinhassem a minha idade, cabe-me agora dizer-vos que tenho 25 anos (se bem que não por muito tempo). Sou aluna de Mestrado e espero concluí-lo no próximo ano, assim que entregar a minha tese.
Ainda não trabalho, nem estou a estagiar porque, sinceramente, estou meio perdida entre a desmotivação (este ano fui invadida por uma onda súbita de preguiça) e a enorme desilusão que me proporcionaram quando há um ou dois anos atrás comecei a mandar currículos e a ir a entrevistas. O trabalho na minha área anda pela hora da morte, as condições não são muito melhores do que as do tempo da escravatura e, muito sinceramente, eu nunca estive preparada para isto. Eu esforcei-me muito, mais do que devia e podia até, abdiquei de muita coisa a nível pessoal e as ofertas que me foram fazendo... bem, pareciam estar claramente a brincar com a minha cara.
Isto começou por ser um post acerca da idade, mas quis partilhar um pouquinho mais de mim convosco. Anda por aí alguém a sentir as mesmas dificuldades que eu?

Love

texto parcialmente fictício

- Gostas de mim?
- Sim.
- Muito?
- Sim.
- Daqui até Plutão?
- Sim.
- Ida e volta?
(silêncio)
- Imagina a distância que percorreria se pudesse ir e voltar de Plutão, num infinito número de viagens. Isso não está nem perto de descrever o quanto eu gosto de ti.

Meu chá favorito

Hoje deixo aqui uma dica para quem está de dieta ou para quem simplesmente aprecia uma chávena de chá quente nos dias frios que se avizinham.


Cá em casa somos fãs dos chás da marca Tetley, no entanto, quando experimentei este chá rendi-me por completo.
Tem hibisco, planta que possui diversas propriedades benéficas para o organismo, além de ajudar a emagrecer. O seu sabor é muito bom e adocicado.

E vocês, de que chás gostam?

ps: este post não tem qualquer  finalidade publicitária.