Minha quimera, que renasces em mim

maio 06, 2017


Fiz do teu corpo a tela que eu sempre quis pintar, 
Da tua alma, 
O mistério que eu sempre ansiei desvendar.

Tu, o meu mistério predilecto.
E eu, 
Um enigma errático que escapou a toda e qualquer espécie de lógica.

Se me detive e se medi cada palavra, 
Foi somente por te ter querido, 
Sempre.

Sempre quis conhecer alguém como tu.
Não falo das roupas que vestes, 
Do teu cabelo rebelde, 
Das meiguice que quis ver no teu olhar.

Não falo sequer desse teu sorriso delicioso, 
Do teu jeito naturalmente sedutor 
Ou da tua pele sempre morena.
Não, nada disso.

Gosto da tua genuinidade. Sem floreados.
Esperei toda a minha vida
Por alguém como tu, 
Que me salvasse deste tédio dos dias sempre iguais, 
Das manhãs invariavelmente frias e, 
Sobretudo, 
Das minhas mãos vazias e errantes, 
Que, afinal 
Sempre procuraram as tuas.

Segura-as com firmeza, meu amor, 
Pois já não tenho dúvida alguma.

Sei que sou
O livro aberto 
Que procuras.

Oxalá não seja tarde, 
Que o amor se não acobarde,
Ainda antes de amadurar.

You Might Also Like

4 comentários

  1. Que bonito que é encontrar alguém por quem sempre esperámos, mesmo sem sabermos se existia e se iria aparecer na nossa vida.
    Gostei bastante!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom mesmo, difícil descrever... :)

      Obrigada*

      beijinho

      Eliminar