Last Movies 2016

Um Novo Final (The English Teacher)


É um filme acerca de uma professora - Linda - que desempenha a sua profissão com paixão e afinco, procurando acender uma pequena chama em cada um dos seus alunos.
Jason é um ex-aluno de Linda, muito talentoso mas ainda longe de conhecer o seu verdadeiro potencial. A vida ainda não lhe havia proporcionado a sua chance de brilhar.
Linda decidiu investir em Jason, reconhecendo o brilhantismo do seu trabalho e batalhando com todas as suas forças no sentido de lhe proporcionar a oportunidade que ela acreditava que ele tanto merecia.
Talentos e paixões misturam-se, envolvem-se, fundem-se. O enredo começa a colapsar como se se tratasse de uma frágil construção elaborada com peças de dominó.
Linda redescobre a vida. Jason finalmente obtém um feedback relativo ao seu trabalho. As restantes personagens crescem e revelam-se em redor de um projecto capaz de mover toda a gente.
O final desapontou-me muito, mas eu sou uma idealista incurável.
Um filme quase-brilhante, com um final que não lhe faz justiça.
Imdb: 5.8

Notas de Amor (Take This Waltz)

Um filme delicioso sobre amor e paixão, dotado de uma intensidade e beleza deslumbrantes, a par de uma simplicidade quase impossível de descrever. Um filme que retrata a realidade que mora dentro de cada um de nós, na casa ao lado ou no bairro que se segue. Brilhante e sempre actual. Suave e perturbador.
Faz-nos reflectir de uma forma tão mas tão perfeita que quase nem damos por isso. O pensamento apenas flui, embalado pela doçura não tão inocente do filme.
A personagem principal - Margot - desaponta-nos um pouco no final. Mas é apenas a minha opinião. Porque, afinal, Margot encontrou aquilo que sempre procurara e não soubera: encontrou-se a si própria, fundiu-se com a vida e, finalmente, deu um passo na direcção da satisfação e da realização pessoal (opinião minha).
Um filme único.

A música Take This Waltz, de Leonard Cohen, faz parte da banda sonora do filme, como não poderia deixar de ser.
Se gostaram de A Essência do Amor (To The Wonder), certamente apreciarão este.
Imdb: 6.6

Sobre os Saldos, em 4 palavras

pan·de·mó·ni·o 

substantivo masculino

1. Nome da assembleia dos demónios e do lugar onde se realizavam essas assembleias .

2. A corte infernal.

3. [Figurado] Reunião tumultuosa.

4. Confusão, balbúrdia.

5. Reunião de indivíduos que se associam para praticar o mal, promover desordens, etc.



caos |áus| 

substantivo masculino de dois números

1. Confusão dos elementos antes da criação do universo.

2. [Figurado] Confusão.

3. Desordem.

4. Perturbação.



a·po·ca·lip·se 
(grego apokalúpsis, -eós, acção de destapar, revelação)

substantivo masculino

1. [Religião] Livro da Bíblia com as revelações feitas a S. João Evangelista. (Com inicial maiúscula.)

2. Discurso assustador, obscuro ou profético.

3. Grande desastre. = CATACLISMO, HECATOMBE



lou·cu·ra 

substantivo feminino

1. Alienação mental.

2. Insensatez; imprudência.

3. Extravagância.

4. Doidice, acto descontrolado ou irreflectido.


E já restava pouca coisa "de jeito". Não, não estavam a dar nada, os descontos eram assim-assim, não sei o que deu nesta gente que eu nunca na vida vi algo assim!

Sobre o Natal

Relativamente aos presentes posso dizer que foi um dos melhores Natais dos últimos anos. Recebi mais presentes, de mais pessoas, todos me agradaram imenso e, em especial, tenho que dizer que finalmente recebi a minha tão desejada, linda, esperada, amada e adorada Pandora 💖 É linda e eu estou super apaixonada por ela e pelas inúmeras contas que um dia espero poder comprar.
Mas agora vamos àquilo que efectivamente interessa.
Foi um Natal morninho, assim mais para o frio.
Não posso dizer que foi mau. Não foi. Houve muitas surpresas agradáveis, momentos bons pelos quais eu não esperava, mas o momento mais especial e unido da noite não foi de todo como eu idealizara. E eu não esperava muito...
Resumidamente, por volta das 23 horas eu era a única pessoa que ainda estava a pé, em frente ao pc, aborrecida por não estar a jogar jogos de tabuleiro ou cartas, ou a conversar ou a ver filmes de desenhos animados ou de outra espécie qualquer. Nada. Jantámos, houve toda a magia dos presentes e depois foi uma noite mais banal do que as noites banais: nada de cinema, nada de convívio, nada de magia.
Fiquei triste.
Principalmente por saber porque assim foi.
Mas já passou. Tudo passa.

Então Mari, o que é que fizeste depois do Natal?

1. Comer os doces que sobraram; Não, praticamente nada.
2. Fazer exercício para queimar as calorias extra; Não, mesmo.
3. Sair, passear,...; Nem por isso.
4. Fui espreitar os saldos; Nem vê-los.
5. Outra coisa qualquer:

GRIPE. Desde dia 26 que os meus dias têm sido dedicados a uma tremenda, persistente e malvada gripe. Só hoje consegui ter forças para estar de pé e dar notícias.

E as coisas que tenho em atraso para fazer?
Bem... Nem vos digo nada!

Espero que esteja tudo bem por aí, que tenham aproveitado bem a época natalícia e os saldos que já começaram. Se ainda não aproveitaram, estão à espera de quê para irem dar uma espreitadela? 😄

Uma estrelinha feliz

Há cerca de dois anos, um familiar afastado por quem eu nutria muito carinho adoeceu.
Ele era a alma de qualquer festa, aquele que contava as melhores piadas e transformava qualquer história numa epopeia grandiosa. Era alegre, gentil e simpático. Nunca conheci alguém que tivesse um casamento que durasse o tempo que aquele durou, com o carinho com que ele durou, com a saudade que deixou ficar.
Um dia, já perto do Natal, e ciente da sua condição, fui visitá-lo.
Encontrei um corpo magrinho, quase imóvel, condenado a uma infelicidade como ele nunca conhecera. Fora tomado de surpresa pela doença, sem qualquer aviso ou sinal. O prognóstico foi dado com muitas certezas e a tristeza imperou. 
Ele queria viver, queria rir, queria conviver, conversar, divertir-se. Isso notava-se naquele corpo imóvel e débil.
Não queria partir. Apesar da idade avançada, sabia que ainda tinha muito para viver, muita felicidade ainda haveria de chegar, muita felicidade ainda tinha de proporcionar aos que o amavam. Porque ele - e os que o rodeavam - precisavam disso: daquela alegria, daquele riso, daquela brincadeira de homem sério que só quer o nosso bem.
Já praticamente não se alimentava, uma vez que o corpo rejeitava praticamente tudo. Estava confinado a uma cama, da qual não podia sair, a um corpo que já não conseguia mover, a uns dias amargos e pesados, longos, porém quase cronometrados. 
Não sei como foi o seu Natal. Sei que não podia beber ou comer e que não queria que a sua condição contagiasse a família, por isso pedia-lhes que se divertissem e aproveitassem as festas por ele.
Saí de lá cabisbaixa, com uma vontade enorme de chorar e naqueles momentos que se seguiram desejei poder trocar de lugar com ele.
Porque eu nunca fui assim tão feliz e isso deixava-me com um sentimento difícil de descrever... como se eu sentisse que não merecia a vida, se a vivia assim, desta forma, tão medíocre quando comparada com uma felicidade tão rica e tão plena, Eu não tinha o direito de viver uma vida assim, quando havia gente com tanta felicidade por desfrutar.
As pessoas felizes nunca deveriam partir.
Ninguém deveria ter que partir mas, sobretudo, as pessoas felizes, nunca deveriam partir. A vida faz-lhes falta e elas fazem-nos falta a nós.
Foi um Natal triste.
Mas nunca tão triste como o daquela senhora que viu um casamento lindo, tão longo e tão próspero em amor, definhar aos poucos.
Pessoas que amam nunca deveriam partir.
Pessoas tão amadas nunca deveriam partir.
Quem sabe equilibrar com mestria bondade, amor e felicidade deveria ter a vida eterna assegurada, mas não tem.
Estamos todos condenados a uma efemeridade tão, mas tão injusta.

About Movies

Boa noite, gente linda, tudo óptimo por aí?
Ausentei-me durante alguns dias porque andava sobrecarregada com montes de tarefas para concluir em pouquíssimo tempo.
Tive uma ideia genial uma destas noites, para um post aqui no blog, mas entretanto adormeci (sem anotar o que tinha pensado) e, quando acordei, já não me lembrava. Já vos aconteceu?

Assim sendo, segue-se um post sobre alguns dos filmes que tenho visto e sobre os quais acho que vale mesmo a pena falar-vos.
                     Esta imagem não faz justiça nem à beleza do filme, nem à beleza natural da Olga Kurylenko.

A Essência do Amor (To the Wonder)

Este é um filme sobre um espírito livre. E, como todos os espíritos verdadeiramente livres, Marina é apaixonada, intensa, inquieta. É divertida, possui dentro de si o sorriso puro que uma criança feliz irradia, mas, simultaneamente, um vazio que por vezes a assombra.
Este é um filme sobre Amor. Sobre o Amor.
É também um filme sobre Fé, sobre Deus e sobre a luz divina.
Tem momentos cuja carga emocional é muito intensa. Tem outros em que impera um sentido espiritual apurado.
O filme é narrado em 4 línguas distintas. Passa-se em pelo menos dois países, cruza diferentes destinos e diferentes nacionalidades. As paisagens são inacreditáveis de tão belas, as imagens do quotidiano fazem-nos recordar quadros de épocas remotas de tão singelas, tão puras, tão mágicas.
Aconselho vivamente. Vejam!
E, pessoalmente, o que mais me tocou foram as palavras do padre.
Imdb: 5.9

Aprovado (Admission)

Este filme centra-se na personagem interpretada pela Tina Fey - Portia Nathan -, uma mulher que praticamente vive para o trabalho - no departamento de admissões de Princeton -, "descurando" a sua vida pessoal.
Além de demonstrar o que parece ser a realidade competitiva do processo de candidatura e de admissão (extremamente selectiva) àquela Universidade Norte-Americana, o filme fala-nos muito sobre o amor de mãe e as proezas que este nos leva a fazer. Sim, é verdade. Ainda que nada o faça adivinhar (não vou contar mais, para não transformar isto num enorme spoiler).

Imdb:  5.7
Eu, o Earl e a Tal Miúda (Me and Earl and the Dying Girl)

Uma deliciosa combinação de drama e comédia. Pelo título poderão concluir que alguém está morrer. Trata-se de uma jovem com cancro - Rachel. Mas a história centra-se mais no seu amigo - Greg -, dotado de uma personalidade muito muito peculiar. É uma bonita história sobre amizade, amadurecimento, escolhas e destinos.

Imdb: 7.8

"Irrational Man"

Homem Irracional (Irrational Man)

É um filme de Woody Allen.
A história centra-se num professor de Filosofia - Abe, com a reputação de se envolver com inúmeras mulheres, incluindo alunas suas, que, a certa altura, sente que a sua vida perdeu o sentido. Torna-se taciturno, impotente, carrancudo. Não acredita e repudia até as alegrias da vida.
Abe conhece então Jill, uma das suas alunas - com imenso talento e sede de sabedoria - e rapidamente Jill fica absolutamente fascinada com o misterioso, intrigante e atraente modo sombrio de Abe.
Ainda que Abe evite a todo o custo o envolvimento amoroso entre os dois, o inevitável acontece.
Abe havia recuperado a ânsia de viver, a alegria, a liberdade, o seu propósito. Mas este novo Abe não surgira graças a Jill. Abe encontrara um outro propósito bem mais profundo e macabro.

Adorei o filme. É absolutamente genial e prende-nos ao ecrã, surpreende-nos a cada segundo, intriga-nos, incomoda-nos até. É um filme que nos inquieta, no bom sentido. Vejam ;)
Imdb: 6.6 

Regressos


É o meu sítio favorito em todo o Mundo.
Não porque tenha tanto de ti, mas porque já tem demasiado de mim. Demasiado para que não me cative.
É isso, deixei-me cativar.
Agora não há volta a dar.

(Re)valorizar o dinheiro



Esporadicamente tenho discussões (saudáveis) acerca deste tema. Hesitei em escrever sobre ele aqui, mas deixei que os ânimos arrefecessem e penso que agora é a altura apropriada para o fazer.
O dinheiro, esse malvado que arruína casamentos, famílias, países, o Mundo.

Quando era mais nova detestava dinheiro. E detestava-o porque já tinha visto o que ele era capaz de fazer com a cabeça (e o coração) das pessoas. Detestava-o porque via gente a passar dificuldades, gente a apropriar-se de dinheiro alheio, gente abastada a pedir dinheiro a pobres para sustentar os seus vícios, pobres a esbanjar dinheiros em futilidades, pessoas abastadas a receber o rendimento mínimo que muitas famílias necessitam e não têm, gente que coloca comida no lixo (comida oferecida por instituições de solidariedade social), apenas porque tem preguiça de cozinhar, enfim.
Acredito que cresci, mudei, aprendi.
O que importa não é o dinheiro, mas sim as pessoas e aquilo de que são feitas, a sua essência.
E de que são feitas as pessoas?
Pois bem, eu não sei. Cada um poderá apenas falar com propriedade de si próprio e, ainda assim, com cautelosas reservas pois nem sempre nos conhecemos a fundo.
Mas o que penso eu agora sobre o dinheiro?
O dinheiro traz felicidade? Não, mas toda a gente sabe que ajuda.
Então por que é que queremos sempre ter mais e mais?
Porque os cuidados de saúde requerem (muito) dinheiro e as doenças não abrandam de forma a que seja possível acompanhar a lentidão do SNS;
Porque, infelizmente, há quem tenha que recorrer a tratamentos de fertilidade dispendiosos;
Ou a tratamentos extremamente complexos e avançados no estrangeiro;
Porque queremos que os nossos filhos tenham as suas necessidades básicas supridas;
E uma educação de qualidade;
Para que possam ter um futuro melhor do que o nosso;
Porque viajar nos enriquece, por dentro;
E faz com que nos reencontremos, connosco próprios;
Porque o conforto nos faz sentir realizados, orgulhosos, vencedores;
Porque também gostamos de nos mimar de vez em quando;
Porque o ser humano é competitivo;
Inveja quem tem mais;
Discrimina quem não o pode ter;
E ninguém gosta de ser marginalizado;
Porque dinheiro é poder;
E se cair nas mãos certas,
São os poderosos que mudam o Mundo.
Mas para isso é necessário que o nosso interior seja poderoso, esplendoroso, bondoso, terno, capaz de empatia, dotado de humanidade.

Então, o que vale o dinheiro?
Eu não sei, mas atrevo-me a dizer que o dinheiro apenas serve para comprar tudo aquilo que o amor não é capaz de oferecer.
Porque o amor pode ser "sem limites", mas a vida prega-nos partidas e a verdade é que temos que estar preparados, com as melhores armas, os melhores trunfos, aliados aos melhores dos sentimentos.

O dinheiro não é nada sem fé, sem confiança, sem amor, empatia e um forte sentido de Paz e de humildade.

About Movies

O Estagiário (The Intern)

Este é um filme sobre um senhor de idade avançada - Ben - que perde a esposa e, de algum modo, aparenta estar perdido na sua própria vida também, uma vez que não possui metas nem objectivos diários.
Decide então candidatar-se a uma vaga para estagiário sénior numa empresa de venda de roupas online. Toda a gente adora Ben e ele consegue o emprego, mas a chefe - Jules - praticamente não lhe atribuí tarefas, pelo que ele lança mãos à obra e ajuda toda a gente, com a sua simpatia e experiência de vida.
Ben e Jules acabam por se tornar grandes amigos (não vou revelar porquê nem como, vejam!).
Ben é um senhor com uma mente muito jovem, muito proactivo, bem-disposto e de bem com a vida.
Penso que o filme nos transmite algumas lições valiosas e nos consegue ensinar que nunca é tarde para encontrar um novo propósito para as nossas vidas - seja um emprego, um novo amor, etc..
Eu gostei muito.
Imdb: 7.1

Amor de Fato e Gravata (Beauty & the Briefcase )

Esta é uma comédia romântica. Lane é uma jovem que ainda não encontrou o amor. Mas Lane possui uma particularidade: elaborou uma lista com 10 itens a preencher pelo seu futuro companheiro. (Teve piada, uma vez que só vi o filme ontem e já tinha elaborado as minhas 2 listas, mas ainda, assim, se virem o filme vão compreender que eu e a Lane temos objectivos bem diferentes).
A par da sua busca por um amor perfeito, Lane pretende realizar o seu sonho de escrever para a Cosmopolitan. Um dia, o destino brinda-a com uma oportunidade única de concretizar estes dois desejos, simultaneamente.
Foi a KATHIE S. do blog BEYOND the Sky que mo indicou (Obrigada!🙂) e eu gostei imenso.
Imdb: 5.5

Atenção spoiler!!
Só tive pena de o menino bonito se ter revelado um novelo de mentiras, porque se ele fosse como aparentava ser, bem que valia a pena! Bem, mas essa é a lição do filme, não é?
A lista da Lane é um bocadinho digamos... exótica.
E, por fim, sinceramente não achei que houvesse muita química entre o derradeiro casal.

Vejam, vale a pena!

Ai que eu não resisto!

Eu não resisto a...
...homens que usam casacos de fazenda. Ficam logo 30 a 40% mais sexy!
Dá um ar de homem adulto, bem parecido, bem resolvido, com uma vida profissional bem encaminhada e que sabe vestir-se com bom gosto!
Adoro adoro adoro!

Hoje vi um homem com um casaco de fazenda azul marinho (logo a minha cor favorita!), com aquele ar sedutor e assertivo e um cigarro na boca prestes a acender-se e, bem... Quem me dera ter ido lá apresentar-me! 

Sweet sweet december!

Querido Dezembro

Quero que fiques para sempre gravado no meu coração. Não te quero complicado ou atribulado. Quero que apenas uma palavra seja capaz de te definir, em toda a tua grandiosidade e graciosidade: Felicidade.
Por favor, não me tragas mais daquelas dores de cabeça chatas ou enxaquecas ou constipações.
Não me dês mais dores de coração, porque a essas tu sabes que eu não resisto.
Se puderes, lembra-te de mim e traz-me um Amor verdadeiro, sincero, quente.
Sê gentil. Que eu prometo ser também.

My Lifesaver

Um dia, escrevi aqui sobre a minha nova Faculdade e sobre o facto de eu sentir que sempre deveria ter lá estado. Não, não mudei de ideias. Continuo a sentir que lhe pertenço, que sou parte daquele Universo ainda místico ou misterioso para mim, mas que me traz um conforto e uma paz de espírito ímpares.
Mas não estaria a ser justa se esquecesse tudo o resto.
Foram 6 anos num local completamente novo e cujos recantos eu hoje conheço (praticamente todos, vá). Foram 6 anos de aprendizagem, de descoberta e de auto-descoberta acima de tudo. 6 anos a questionar, a colocar tudo em causa, a aprender, a reaprender, a avaliar e a repensar tudo, tudo! Mesmo aquelas coisas que eu tinha como certas. Foram 6 anos de crescimento, de luta diária, de de superação e de vitória. Foram 6 anos de uma capacidade tremenda que eu desconhecia ter dentro de mim. Foram (quase) 6 anos de uma paixão que foi a mais completa que eu já sentira em toda a minha vida, a mais intensa, a mais inesquecível. Foram 6 anos aos fim dos quais eu aprendi que aquela também era a minha casa (a minha segunda casa). É incrível sentir-mo-nos em casa num local que outrora nos era alheio!
Foram 6 anos a aprender com os melhores, na melhor Faculdade, com as melhores doutrinas, a melhor paisagem, o melhor pessoal auxiliar... Enfim.
Se foi perfeito? Não, nem poderia ser.
Se poderia ter sido melhor? Claro que sim.
Mas não posso esquecer nunca que aquele local, aquelas pessoas concretas, aquelas janelas, aquelas salas de aula, aqueles livros rasgados, aquelas cadeiras umas mais confortáveis que outras (!) contribuíram para que seja a pessoa que sou hoje e incutiram em mim a necessidade de lutar! Porque nada vem parar às nossas mãos sem que lutemos arduamente!
Por isso, obrigada.

E isto tudo surgiu porque foi lá que eu recuperei o meu fôlego, a minha vontade de viver, de lutar, de acordar para a vida e de aprender; a minha paixão pelo conhecimento, pela aprendizagem, pelo outro e pela sua diferença; os meus sonhos e objectivos; as minhas metas diárias. Foi lá que me recuperei e é por isso que sabe e saberá sempre tão bem regressar às minhas raízes. Podem não ser as raízes da criança que fui, mas são certamente as raízes da adulta em que me tornei.

Apple, Mac, Air, Pro, etc etc.

Gente linda, um dos meus "sonhos" sempre foi ter um pc da Apple. No entanto, já tenho um computador de secretária e comprei há uns 3 anitos um Sony Vaio portátil, branco, lindo que só ele. Uma vez que uso pouco o portátil e raramente necessito de o levar comigo, "vendi-o" aos meus pais e, ocasionalmente, quando a preguiça bate a esta porta, peço-o emprestado.
Mas a vontade de ter um Mac nunca passou.
O que eu queria saber é se há alguém aí desse lado que tenha um, que me possa informar das vantagens e desvantagens, das funcionalidades únicas e que me possa esclarecer algo muito importante: esquecendo o lado estético e o status da marca, vale a pena o investimento (quando comparado com um Hp, um Toshiba ou um Sony Vaio, por exemplo? E a bateria, dura quanto tempo (em média)? Gostam do sistema operativo ou consideram o Windows melhor? E problemas de software, ocorrem com frequência? Problemas c/ actualizações? O portátil mantém-se funcional durante quantos anos +/- ?
Adoro o MacBook Pro com Retina Display!


The Little Prince

Estou viva, feliz, livre, esperançosa.
A verdade é que já comecei as leituras para a Tese e isso deixa-me muito pouco tempo livre.
Porém, não poderia deixar de vos falar de uma coisa.
Na semana passada vi finalmente O Principezinho (o filme).

O Principezinho (The Little Prince)

Não vou dizer que adorei o filme. Talvez o tivesse adorado se ainda fosse capaz de o ver com os olhos de uma criança. Mas a verdade é que quando crescemos perdemos não só a inocência, mas também a capacidade de acreditar sem questionar toda e qualquer coisa. Pelo menos eu perdi essa capacidade.
Ainda assim, o filme transmite-nos valiosas lições, faz-nos pensar muito... Se o virem, prestem atenção na raposa. Foi a minha personagem favorita, a mais sábia, gentil e dócil. A que me deixou com saudades de ter um amigo verdadeiro assim, um amigo como se calhar eu nunca tive.
Imdb: 7.8


Nunca se esqueçam do que é ser-se criança, da criança que vocês também já foram, dos sonhos que tiveram quando ainda eram meninos e meninas esperançosos e crentes num mundo melhor, num Mundo repleto de amor puro e despretensioso.
Tenham uma boa semana!

Natal Natal Natal!

Gente linda, quais são as coisas que mais gostam de comer no Natal (refeições/pratos principais) e docinhos?
Confesso que, apesar de ser grande adepta  do Natal, não adiro lá muito à gastronomia da época.
Em pequena gostava de bacalhau, agora é raro comer bacalhau no Natal.
Rendo-me mais aos bombons, bolachinhas de chocolate e figos. Ai os figos secos... 
Ainda falta quase um mês e já inaugurei 3 pacotinhos :P


Vamos aligeirar o ambiente com uma pergunta...

Aqui vai mais uma pergunta bizarra e pessoal:

O que é que vocês guardam na vossa despensa?

Roupa?
Calçado?
Material de costura?
Arca congeladora?
Comida?
Produtos de limpeza?
Electrodomésticos?
Vários artigos dos mencionados acima??

Baby boom

Gente linda, assim não dá!
Anda por aqui uma garota a queixar-se de que nem sequer tem namorado e de repente toda a gente tem um bebé, ou vai ter um bebé.
O que é incrível é que não é uma coisa da Blogosfera, parece, isso sim, um babyboom geral!
Não há vez nenhuma em que vá ao café/esplanada/restaurante/supermercado/shopping e não veja, no mínimo, uns quatro bebés todos cutxi cutxi. É cada um mais querido que o outro. E os sorrisos? Oh Meu Deus, que sorrisos tão lindos que têm os pequeninos! E os gêmeos? Como eu adoro gêmeos!
Assim não dá!
Vocês estão a dar cabo do meu relógio biológico...

Quero um assim, como o da foto, pra breve (ou não)!

To love

Por vezes, tudo aquilo de que precisamos é um pouco de Amor.

As Regras da Casa

Adenda ao post anterior

Em dia de reunião familiar não é permitido:

- utilizar o telemóvel porque somos logo gozados e segue-se um interrogatório tipo inspector da PJ; a minha família não acha porreiro mandar sms de Natal e de Ano Novo aos amigos;
- utilizar o computador com a mesma finalidade;
- levar o portátil e tentar fazê-lo, sem abandonar a sagrada família; porque inevitavelmente alguém irá espreitar ou criticar, ou ambas;
- utilizar o computador para jogar (em miúda tinha sempre jogos novos no Natal e nunca os experimentava. Haja liberdade!);
- ver tv. Há sempre alguém que diz (por gestos): "o comando é só meu" e lá se vai a ideia de ver um filmezinho típico de Natal, qualquer espécie de desenho animado, um filme perfeitamente normal... etc. Aqui se vê Casa dos Segredos e outras "paroladas" piores (desculpem-me aqueles que me lêem e gostam de assistir a esses programas);
- falar. Aqui fala uma pessoa. E, quando alguém abre o bico está o caldo entornado. Seguem-se birras, fitas, discussões... Porque ninguém aprecia esse género de atitudes. Já cheguei a ver essa pessoa fingir um desmaio (toda a gente percebeu que era fingimento), depois de desencadear uma discussão, só a ver se saía por cima! Claro que, no final, vai sempre alguém embora chateado. Ás vezes continuam a discussão em casa;
- Já disse que é proibido falar? Se abro o bico, segue-se um "agora estou a falar eu" (há 3 horas consecutivas);
- esgueirar-me durante mais de 1 minuto. Vêm logo atrás de mim ver o que estou a fazer e, se não regresso, sou logo ameaçada. True story...
- ficar a pé após a meia-noite. Porque há sempre alguém (a mesma pessoa que faz questão de ser a única a falar) que se quer ir deitar, porque sim, ou porque quer falar e já estão todos fartos de a ouvir (a contar as mesmas coisas que contou 59999999999999999999999 vezes, durante a agora 7ª ou 8ª hora);
- escolher o que comer. Aqui ninguém tem voto na matéria, a comida é toda feita de acordo com o gosto caprichado do convidado frisado no ponto anterior. Se gostamos doutra coisa qualquer, paciência, não há nada para ninguém;

Talvez isto tudo aconteça por ser a pessoa mais jovem que está presente. Quero mesmo acreditar que é por isso! Mas a verdade é que foi assim durante muitos anos e, de ano para ano, só tem tendência a piorar.
Depois ainda acontece aquilo que eu mais abomino: dizerem mal dos outros nas suas costas. Não é criticar, é dizer mal, forte e feio. A vítima costuma mudar de semana a semana, mês a mês... por aí. Mas aqui não se brinca em serviço.

Eu não contei isto porque queria muito fazê-lo e anunciá-lo ao mundo, porque, sinceramente é algo que lamento e que me envergonha muito. Mas precisava desabafar e ás vezes é complicado falar sobre isto com quem nos conhece... Existem sempre reservas porque aquela pessoa sabe exactamente de quem estamos a falar e, mesmo sendo inteiramente verdade tudo o que disse acima, é complicado, muito complicado...

Se a minha vida podia ser perfeita? Poder até podia.
E sinceramente, é. Acho que devia estar grata por esta ser a única coisa má que tenho a minar a minha felicidade. Mas é muito difícil ter de enfrentar isto todos os fins de semana e agora na época mágica que aí vem.

Por isso, se lerem algures que detesto fins de semana e que o Natal me suscita um sentimento agridoce, já sabem o porquê (mais informações neste post).

O lado menos doce do meu Natal

Sim, falta exactamente um mês para a noite mais mágica do ano.
Há um ou dois anos atrás estaria ansiosa para passá-la em família.
Este ano, muito mudou na minha vida. Aprendi muito sobre mim, mas também sobre os que me rodeiam.
Alguns laços intensificaram-se, enquanto que outros... bem, eu já não os sinto lá.
E não vou atribuir culpas. A verdade é que a vida dá muitas voltas e os sentimentos mudam. 
Este ano, pela primeira vez, não tenho vontade nenhuma de partilhar este dia a não ser com os que vivem comigo. Porque foram eles que estiveram aqui durante todo este processo (da depressão), que (melhor ou pior) sempre me compreenderam e me estenderam a mão. Não me fizeram perguntas ridículas, nem me julgaram sem pensarem bem sobre o que estavam a deitar boca fora.
Por isso, o meu desejo para este Natal, se calhar em oposição ao do resto do Mundo, era passá-lo unica e exclusivamente com aquelas pessoas que não só dizem querer-me bem, mas que, de facto, todos os dias me demonstram que me querem bem. As atitudes são tudo, tudo. Não se deixem enganar.
Sou a primeira a afirmar que as palavras são lindas e por vezes quase quase conseguem exprimir o indizível. Mas são só palavras... Ainda que nos sejam tanto.
Infelizmente não será possível realizar este meu "desejo" e estou mesmo muito triste. Triste e preocupada porque temo levar com os julgamentos sem fim dos restantes familiares, com as tentativas intrusivas de fazer conversa fingindo que está tudo bem (porque não está!)... enfim.
E triste porque nesta época queria muito o apoio e o carinho dos amigos, mas todos eles têm as suas famílias (alguns até já têm o seu próprio lar!), os seus namorados, as suas vidas... alguns estão longe geograficamente... outros... a vida levou-os por caminhos que já não se cruzam com o meu.
E, embora já tenha feito as pazes comigo própria, não me recriminando por isto e aceitando que a vida é mesmo assim, nestas épocas em que o amor é o mote de toda e qualquer coisa, custa muito não ter ao nosso lado quem faz o nosso coração bater mais forte.

To look around us


Cada vez dou mais valor às pequenas coisas que a vida tem para oferecer.
Os velhinhos que caminham de mãos dadas;
O miminho dos papás;
O sorriso contagiante das crianças com quem me vou cruzando;
As decorações de Natal...

Enfim, a beleza está um pouco por todo o lado. Não é preciso procurar. Ás vezes nem precisamos deslocar-nos para muito longe. Basta olhar em redor. E apreciar.

ps: quando estava à procura de uma imagem para juntar ao post, encontrei esta foto (abaixo). Olhem só, que miúda cheia de pinta!

E tu, como te sentes?

Sinto-me rejuvenescida, inspirada, motivada, alegre, esperançosa. Espera, não era nada disto o que eu queria dizer!
Estou super feliz.
Adoro a minha a vida, tal como ela é agora.
Sinto-me como se as estrelas finalmente estivessem a alinhar-se e a conspirar em meu favor.
Já não era sem tempo.


Desejo-vos uma excelente semana.
Tenham muita, muita Fé*

"Thinking Out Loud"

Vejam o video!
Para quem não conhece, são cenas de uma novela brasileira que terminou há pouco tempo na sic. Chama-se I love Paraisópolis e fala muito das diferenças entre as pessoas da Comunidade de Paraisópolis e os habitantes do Morumbi. O video abaixo contém algumas das cenas mais bonitas do casal de protagonistas, Mari (Bruna Marquezine) e Benjamin ou Ben. Mari era uma menina da favela. E Ben um garoto do Morumbi. 
A novela é muito linda, tem cenas de morrer a rir e personagens muito bem construídos, complexos e cativantes.

Minhas esquisitices

Quando escrevi os primeiros random facts, mencionei que:

"Eu tenho um olfacto muito apurado.
E toda a gente brinca com isso.".

A verdade é que:

- o cheiro de um batom em particular me recorda o secundário
- o cheiro de um desodorizante em particular me recorda as aulas de EF
- o cheiro de um champô e do respectivo amaciador recordam-me uma viagem que fiz ao Gerês
- o cheiro da casa da minha avó é único
- o cheiro a côco faz-me lembrar uma amiga que não gosta desse cheiro
- o perfume 212 Sexy, para homem, faz-me lembrar aquele que era o meu melhor amigo
- o cheiro da chuva recorda-me a infância
- o perfume 212 Sexy para mulher faz-me lembrar uma amiga
- o cheiro a alperce recorda-me a minha melhor amiga
- o cheiro do Pantene também
- o cheiro do perfume do lidl recorda-me o 5º e o 6º ano de escola
- o cheiro de marcador recorda-me o 7º ao 9º ano da escola
- o cheiro das barras kinder recorda-me o secundário
- o cheiro a abóbora recorda-me as enxaquecas que tive
- o cheiro a bacalhau assado no forno recorda-me as comunhões e casamentos a que fui
- o cheiro do Herbal Essences, gama antiga, também me recorda o secundário
- bem como  um gel de banho da Palmolive
- o cheiro de algumas flores faz-me sempre lembrar o cemitério
- não gosto do cheiro das Igrejas
- o cheiro de alguns perfumes Avon faz-me lembrar a minha madrinha
- o cheiro dos hidratantes Corine de Farme faz-me lembrar os dias em que ia à praia entre o 10º e o 12º anos da escola
- o cheiro a pêssego também
- o cheiro a baunilha faz-me lembrar a minha mãe, porque ela não gosta
- o cheiro a caramelo, também, porque ela adora
- o cheiro a tabaco recorda-me as saídas à noite
- o cheiro dos enchidos recorda-me outra amiga minha
- o cheiro "a Natal" (da casa, dos doces, da casa de familiares...) recorda-me os Natais passados. Cada casa tem um cheiro muito peculiar e agradável no Natal
- o cheiro a cão/cadela ou a gata recorda-me sempre o meu gato
- o cheiro a amoníaco recorda-me as aulas de FQ entre o 7º e o 9º ano
- o cheiro de suor recorda-me uma colega, infelizmente
- o cheiro dos bolos que a minha mãe faz é único e inconfundível
- o cheiro a iscas de bacalhau faz-me lembrar: a minha mãe, a minha avó, uma tia do meu pai e ainda uma amiga e a sua mãe


e acho que isto é o principal.

E vocês? Costumam associar os cheiros a momentos, pessoas, lugares? Contem-me tudo!
 



"É isso aí"


Há anos que amo esta música, de coração.
Sempre teve um significado super especial para mim.

Para quem prefere a original:



Tenham uma óptima sexta-feira!

Agradecimento

Agradeço a quem me deu a preciosa dica de "bater no cu da romã" com uma colher de pau, tive de a partir em quatro mas, afinal, funciona mesmo!
Até parece que me sabem melhor.

Thank you so much!


Este é um post sobre unhas

Meninas, comprei um verniz da Catrice e estou neste momento a pintar as unhas. A cor pareceu-me gira, mas ao pintar fica mais clara, infelizmente, porque eu adoro um bom vermelho escuro.
Acontece que o pincel é tão largo que quase me cobre a unha toda. Até parece prático porque só exige uma passagem, mas a verdade é que fica tudo borratado. Sou eu que sou desastrada ou isto acontece a mais alguém??
O verniz é este. A foto não é da minha autoria.

About me, about you, about him, about them

Eu sou muito tímida, muitooooo.
Porém, era super participativa nas aulas. E acho que finalmente essa parte de mim está a dar um ar da sua graça.
Mas isto não é mais um post sobre a Faculdade.

Este post é sobre mim.
Acho estranho quando alguém que eu não conheço bem (alguém que não seja um amigo próximo ou familiar chegado) tem para comigo um gesto carinhoso. Fico envergonhada, sem jeito, sem saber o que fazer. Enfim.
Não é bem um não-gostar. É mesmo um estranhar. Não me interpretem mal. Eu adoro que se metam comigo, desde que o façam de forma simpática e agradável (ao invés de scary e despropositada, claro). Adoro estranhos que metem conversa, que dizem "olá" e "obrigada", que me abrem a porta e a seguram para eu passar, que me sorriem, que me olham com desejo (mas de uma forma decente, atenção)... Mas mandar piadas, tentar abraçar-me, dar-me o braço, dar-me um beijo, "empoleirar-se" em mim de qualquer forma ou deitar-se no meu colo... epá, acho estranho! Porque é, não é?
E mais, e isto agora é exagero meu... Não gosto que alguém que eu não conheço bem... Me diga que sou bonita, me peça o número de telemóvel ou me pergunte "posso-te conhecer", muito menos que ande atrás de mim...
E vocês perguntam: então como arranjas namorado?
Pois, namorado não tenho.
Eu sei que não sou fácil, mas corações conquistam-se com atitudes (e com outros atributos também, vá). Mas atitudes que me demonstrem que se preocupam comigo, que querem o meu bem, que vão estar ali comigo se eu de repente tiver um dia mau.
Porque um namorado, um amigo, um primo, deve servir para isso mesmo. Não só, mas também para isso.
A verdade é que, parecendo que não, eu adoro miminhos. Mas miminhos das pessoas de quem eu mais gosto.

Ahh, e só Deus sabe o quanto eu me derreto quando vejo um homem com aquele ar meigo que vocês sabem. Porque é isso que eu procuro: alguém que me dê o seu melhor e que seja capaz de despertar em mim o melhor que eu posso ser e dar.

Sou uma lamechas. e uma mimalha. Mas sou uma lamechas e uma mimalha muito selectiva.

Vontade



Tenho uma tese para fazer.
Não me atribuíram o orientador que eu queria.
A orientadora (é uma Doutora) é 5*, mas não é da minha área,
Se já tinha pouquíssima vontade de começar a elaborar a tese,
Agora não tenho nenhuma.
E ainda por cima agora há uma raiva miudinha que me mói por dentro.

Mas a vida é bela na mesma 💓



E com isto vou ali colocar mãos à obra
São bem-vindas quaisquer palavras de incentivo, 
bem que preciso delas!

it's a kind of magic

Fac


Há cerca de uma semana, estava a caminhar em direcção à minha Faculdade nova, embalada por uma suave brisa nocturna quando, de repente, fui invadida por um pensamento que me surpreendeu:
deveria ter estado naquele lugar desde sempre.
Sim, é isso.
À medida que eu me ia aproximando da entrada da faculdade, o meu coração sussurrava baixinho: sempre pertenceste a este lugar. Era aqui que deverias ter estado desde o princípio.
Olhei para cima, para a Lua e como ela estava linda naquela noite!
E, naquele preci(o)so momento, tive a certeza: uma vida deslumbrante acabara de começar.


Nota: o texto é inteiramente verídico. Ando a estudar numa Faculdade nova, numa área diferente da minha área de formação original.


Can I have the moon, now?
The moon, please, and your warm arms around my body*

Fórmula da felicidade (para fazer em casa)

Chocolate em pó, a gosto;


 Café espresso, a gosto. 100% arábica ou outro;
Adoçante stevia (desta ou doutra marca), 
porque já sabemos que o açúcar é nosso inimigo.

Basta juntar água quente e voilá: 
temos uma bebida quente, perfeita para os dias frios que aí vêm, deliciosa e que 
desperta os nossos sentidos.
Perfeita para tomar no fim de semana ou numa tarde de estudo, para ficar mais desperto e motivado.

E vocês, 
costumam preparar este género de bebidas quando o frio se instala?

Ora digam lá...


Aqui vai uma pergunta parva e super pessoal. 
Mas a verdade é que eu nunca sei...
O que colocar na mesinha de cabeceira. Então, acabo por deixar as gavetas quase vazias. E, mesmo assim, ando sempre a mudar o pouco que resta para outro sítio.

E vocês, que género de coisas guardam na/s mesinha/s de cabeceira?

Importante é...



Sentir-me linda todos os dias.
Porque a beleza vem de dentro
E eu me sinto super feliz.
Estou super feliz. Nem acredito!
A minha vida é quase perfeita agora.

A minha série favorita

Actualmente é Conviction.
Adoro quase tudo na personalidade irreverente da Hayes Morrison.

Existe por aí mais alguém 
que se tenha rendido à série?

A Mari precisa de ajuda!


Em primeiro lugar, agradeço a todos os votos de melhoras, estou a melhorar, felizmente. Agora... 

Gente linda, tenho 4 questões para vos colocar:


1. Como conseguem comer romãs sem fazer uma autêntica javardice à vossa volta, meaning, montes de sumo de romã por todo o lado. Sei que existem truques!

Estou longe de ser perita em maquilhagem, por isso...

2. Como costumam aplicar o lápis de sobrancelhas;


3. Vestem-se depois ou antes de se maquilharem?

4. Esta é ridícula: aplicam o batom apenas na zona demarcada pelos vossos lábios ou, para darem a aparência de ter os lábios maiores, extrapolam essa zona, primeiro com lápis para lábios e de seguida passando o batom?